terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Filmes & Sonhos - Edição de Férias





Apresentação

1895 foi um ano de convergências. Na noite do dia 23 para 24 de julho de 1895, Sigmund Freud teve seu sonho mais importante. A primeira projeção de cinema ocorreu em 25 de dezembro do mesmo ano. Teria Freud ido às primeiras projeções dos irmãos Lumière na cidade de Viena, em abril de 1896?


Desde seu início o cinema incluiu a linguagem onírica em suas narrativas. Ainda nos anos ’20 do século passado, quando o livro “A Interpretação dos Sonhos” popularizou-se pela Europa e pelo mundo, artistas e cineastas procuravam Freud, agradecidos pela influência do primeiro psicanalista em suas produções artísticas. Alguns tentaram, sem sucesso, a supervisão do gênio da alma humana para a produção de roteiros, influenciados por suas obras.


Com muito esforço e insistência, discípulos do pai da Psicanálise o convenceram a aceitar que os mesmos supervisionassem a construção de um roteiro de um importante cineasta do expressionismo alemão. Do cinema clássico ao contemporâneo, muitos filmes foram diretamente influenciados pelo pensamento psicanalítico.


Méliès, Pabst, Buñel/Dalí, Hitchcock, Bergman, Pasolini, Fellini e Kurosawa são exemplos de alguns diretores que utilizaram a psicanálise em cenas oníricas de seus roteiros. No Oscar de 2017, um dos filmes concorrentes ao prêmio máximo apresentava um sonho quase idêntico ao usado por Freud em seu livro mais famoso.


Público Alvo
Pessoas interessadas em Psicanálise, nos Sonhos e Cinema.
Não é necessário nenhum pré-requisito de formação e/ou atuação profissional para participar desta atividade.


Objetivos

O Curso Filmes & Sonhos: A Psicanálise no Cinema, ministrado por Leonardo Della Pasqua vai apresentar o desenvolvimento da teoria da interpretação dos sonhos na Psicanálise, relacionando os sonhos ao modo como são representados pelo Cinema, baseando as possibilidades de interpretação dos mesmos, utilizando os exemplos fílmicos para ilustrar os tipos de sonhos e modalidades de interpretação.


Conteúdo programático

Aula 1
- O cinema mudo:
1. O primeiro filme a utilizar sonhos em seu roteiro
2. A presença dos sonhos no cinema mudo
3. Os filmes oníricos do cinema mudo
- Georges Méliès e a intuição do inconsciente freudiano
- Georg Wilhelm Pabst e “Os mistérios da alma”
- Luis Buñuel, Salvador Dalì e o surrealismo onírico
- Sonhos no cinema clássico
- Hitchcock e a plasticidade do sonho
- Ingmar Bergman e o simbolismo onírico
- O livro dos sonhos de Federico Fellini
- A interpretação dos sonhos na obra de Pier Paolo Pasolini


Aula 2
- Sonhos no cinema moderno
- Os sonhos psicanalíticos na ótica de Woody Allen
- Sonhos de Kurosawa e a cena primária
- Exemplos de narrativa onírica em Pedro Almodóvar
- David Lynch e o moderno cinema onírico
- Anthony Hopkins e o sonho dentro do sonho
- Sonhos no cinema contemporâneo
- Michel Gondry e o cinema onírico
- Denis Villeneuve e a dimensão onírica dos roteiros
- Kenneth Lonergan e a atualidade de Freud


Ministrante: Leonardo Della Pasqua
Psicanalista. Psicólogo. Formado em psicanálise na escola Lo Spazio Psicoanalitico di Roma, Itália. Sócio-fundador do Laboratório Psicoanalitico Tiburtino, em Roma, na Itália, onde coordenou o evento “Cinema e Terceira Idade” por um período de três anos. Presidente da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul (Biênio 2011-2013), onde coordenou as atividades “Cinema e psicologia” e “Diálogos entre o direito e a psicologia”. Ministra a disciplina Teoria e Técnica Psicanalítica III no curso de formação em psicanálise do Círculo Psicanalítico do Rio Grande do Sul. Coordenador do curso “A interpretação dos sonhos na psicanálise: um laboratório onírico didático”, com diversas edições no Rio Grande do Sul.



Curso de Férias
Filmes & Sonhos: A Psicanálise no Cinema
de Leonardo Della Pasqua


Datas
13 e 14 de Janeiro (sábado e domingo)

Horário
14h às 17h

Duração
2 encontros presenciais (6 horas / aula)

Local
Cinemateca Capitólio Petrobras
(Rua Demétrio Ribeiro, 1085 - Centro Histórico - Porto Alegre - RS)

Investimento
Valor Especial: R$ 75,00
* Desconto para pagamento por depósito bancário: R$ 70,00

Formas de pagamento
Depósito ou transferência bancária / Cartão de crédito (PagSeguro)

Material
Certificado de participação e Apostila

Informações
cineum@cineum.com.br  /  Fone: (51) 99320-2714

Realização
Cine UM Produtora Cultural

Patrocínio
Back in Black
B&B Games

Apoio
Cinemateca Capitólio Petrobras
.
.
Instruções para efetuar a inscrição

1) Preencha e envie o formulário abaixo.
2) Pagamento por Depósito ou Transferência bancária:
Após enviar o formulário você receberá as orientações.
3) Pagamento por Cartão de Crédito:
Após enviar o formulário, clique no botão do PagSeguro.
.
.

.
.
.
.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Filme Noir









Apresentação

O Noir, como objeto artístico, é “o gênero que nunca existiu”. Durante sua ocorrência original, localizada em algum ponto entre o princípio dos anos 40 e meados dos 50, nem indústria, nem crítica, nem público jamais utilizaram o termo, em terras americanas, em referência ao que hoje se cultura como Filme Noir.


Foram os franceses os seus criadores, e não os americanos. Privados de cinema hollywoodiano durante a Ocupação, os franceses viram-se diante de uma leva de filmes que incluía Relíquia Macabra (1941); Laura (1944); Até a Vista, Querida (1943); Pacto de Sangue (1944); Um Retrato de Mulher (1944); Assassinos (1946); A Dama do Lago (1946); Gilda (1946) e À Beira do Abismo (1946). Então, em 1946, o crítico e cineasta Nino Frank, em alusão à “série noire” (coleção editada na França contendo obras da literatura policial hard-boiled americana, base para a maioria desses filmes), cunhou o rótulo “Noir”.


O Noir não é gênero, nem tom, nem estilo. É um fenômeno, e acima de tudo social. A maior prova de que existe? A fascinação que produz, o desejo que desperta: a “mística noir”.


Objetivo

O Curso FILME NOIR: CINEFILIA E SEXUALIDADE, ministrado por Fernando Mascarello, vai tratar das bases e do conceito que permeia toda a produção cinematográfica do período, enfocando com destaque a estética fílmica e o comportamento (a)moral das personagens, particularmente das femme fatales, figuras indissociáveis do imaginário clássico do Noir.





Temas

Afinal o que é Film Noir?
O contexto histórico
A invenção do termo na França
Noir, cinefilia e cinema de autor
Os EUA do pós-Segunda Guerra Mundial



Noir é gênero?
Definindo o Noir
O embate Masculino x Feminino
Femmes fatales e triângulos amorosos
A estética e a iconografia Noir



O termo Noir nos EUA
Neonoir ou o Noir contemporâneo
Cinefilia, sexualidade e o Noir


Ministrante: Fernando Mascarello
Doutor em Cinema pela ECA/USP, Professor do CRAV (Curso de Realização Audiovisual) e Coordenador da Especialização em Cinema na UNISINOS, organizador dos livros História do Cinema Mundial (7ª ed.) e Cinema Mundial Contemporâneo (2ª ed.). Já ministrou os cursos “Cinema de Autor” e “Neorrealismo Italiano: O Movimento e Seu Legado” pela Cine UM.



Curso
FILME NOIR: CINEFILIA E SEXUALIDADE
de Fernando Mascarello



Datas
16 e 17 / Dezembro (sábado e domingo)

Horário
14h às 17h

Duração
2 encontros presenciais (6 horas / aula)

Local
Cinemateca Capitólio Petrobras
(Rua Demétrio Ribeiro, 1085 - Centro Histórico - Porto Alegre - RS)

Investimento
R$ 85,00
* Desconto para pagamento por depósito bancário:
a) R$ 70,00 (primeiras 10 inscrições)
b) R$ 80,00 (demais inscrições)

Formas de pagamento
Depósito ou transferência bancária / Cartão de crédito (PagSeguro)

Material
Certificado de participação e Apostila

Informações
cineum@cineum.com.br  /  Fone: (51) 99320-2714


Inscrições
cinemacineum.blogspot.com.br

Realização
Cine UM Produtora Cultural

Patrocínio
Editora Intrínseca
Back in Black
B&B Games

Apoio
Cinemateca Capitólio Petrobras
.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Quadrinhos no Cinema - CAXIAS DO SUL







Apresentação

O Cinema e os Quadrinhos surgiram praticamente juntos, no final do século XIX. Naquela época os experimentos cinematográficos buscavam o refinamento tecnológico que proporcionasse a experiência dos filmes em grande escala para audiências cada vez maiores. A própria gramática do Cinema não havia ainda encontrado sua forma definitiva naqueles tempos pioneiros. Simultaneamente, os Quadrinhos se consolidavam como uma forma popular e barata de "narrativa pictórica". Surgiam, portanto, novas formas de contar histórias, além da Literatura e do Teatro.



A ideia de narrativas ilustradas por imagens vem desde o tempo dos homens das cavernas, que rabiscavam suas "histórias" nas rochas. A inevitável aproximação dos Quadrinhos com o Cinema se deu desde os primeiros momentos. Os pioneiros irmãos Lumière (créditos historicamente como criadores do Cinema) buscaram inspiração numa "história em quadrinho" da época para um dos pequenos filmes curtos apresentados na histórica primeira sessão de cinema, em dezembro de 1895, num Café em Paris.


Há, sem dúvida, grandes diferenças entre a tela de cinema e uma página de revista, no entanto, as duas linguagens são em certa medida complementares, pois são fruto da cultura de massa. Por surgirem quase simultaneamente, Cinema e Quadrinhos compartilham características, sem perderem suas particularidades narrativas. Ao longo do tempo, em épocas distintas, se aproxima e se afasta do universo dos Quadrinhos. Atualmente estamos vivendo um dos momentos mais fortes desta relação. O espetacular resultado financeiro das adaptações cinematográficas da última década consolidou um formato hegemônico que conquista cada vez mais e mais público. Mas, fica a pergunta: "Até quando dura esta Era de Ouro?"



Objetivos

O Curso Quadrinhos no Cinema: Uma História Quadro a Quadro, ministrado por André Kleinert, vai passar a limpo a história da relação entre Cinema e Quadrinhos, analisando as linguagens; as principais adaptações; a estética dos Quadrinhos que influencia o Cinema e vice-versa; a importância das grandes editoras e a estratégia da indústria cinematográfica.


Não é necessário nenhum pré-requisito para participar desta atividade.
O curso é aberto ao público em geral interessado no tema.



  

Temas

- Como ocorre a aproximação entre os Quadrinhos e Cinema? Os pontos em comum entre as linguagens formais das duas mídias.
- Universos paralelos / Universo único: os níveis de realidade em que Cinema e Quadrinhos se relacionam.
- Origens das indústrias cinematográficas e dos quadrinhos: perspectiva e semelhanças históricas.
- Cineastas quadrinistas ou Quadrinistas cineastas? Artistas que transitam entre as duas mídias;
- Seriados cinematográficos: os primórdios das primeiras transposições cinematográfica dos quadrinhos.


- Marvel e DC: breve história editorial e a saga de seus principais heróis na tela grande.
- Alan Moore e Frank Miller: a acidentada trajetória de dois mestres no cinema.
- Mark Millar: um exemplo de como se opera em termos criativos e comerciais a relação entre o cinema e os quadrinhos na atualidade.
- As principais escolas e gêneros dos Quadrinhos adaptados para o Cinema. Quadrinhos underground e independentes norte-americanos.


- Terror: como as editoras EC Comics e Warren Publishing influenciaram o horror cinematográfico moderno.
- França: Metal HurlantAsterix e Lucky Luke.
- Itália: TexDanger Diabolik e o vasto universo dos fumetti.
- Japão: Mangás - samurais, ficção científica, magia e super-heróis.
- Brasil: O talento multimídia de José Mojica Marins (Zé do Caixão); Ivan Cardoso e Paulo Biscaia Filho.





Ministrante: André Kleinert
Autor (juntamente com Hiron "Goida" Goidanich) da "Enciclopédia dos Quadrinhos" (Editora L&PM). Membro da Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul (ACCIRS) e diretor de programação do Clube de Cinema de Porto Alegre no período 2007 - 2017. Escreve regularmente sobre cinema e música. Criador do blog "Anti-Dicas de Cinema".



Curso
QUADRINHOS CINEMA:
UMA HISTÓRIA QUADRO A QUADRO
de André Kleinert

EDIÇÃO CAXIAS DO SUL

Data
09 / Dezembro (sábado)

Horário
Aula 1: 09h30 às 12h30
Aula 2: 14h às 17h

Duração
2 encontros presenciais (6 horas / aula)

Local
Sala de Cinema Ulysses Geremia
Centro Municipal de Cultura Dr. Henrique Ordovás Filho
Rua Luiz Antunes, 312 - Caxias do Sul - RS

Investimento
R$ 65,00
* Desconto para pagamento por depósito bancário/transferência:
a) R$ 50,00 (primeiras 10 inscrições) * Valor promocional esgotado
b) R$ 60,00 (demais inscrições)

Formas de pagamento
Depósito ou transferência bancária / Cartão de Crédito

Material
Certificado de participação e Apostila

Informações
cineum@cineum.com.br / Fone: (51) 99320-2714


Realização
Cine UM
Unidade de Cinema e Vídeo
Secretaria Municipal da Cultura de Caxias do Sul

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Quadrinhos no Cinema







Edição Porto Alegre


Apresentação

O Cinema e os Quadrinhos surgiram praticamente juntos, no final do século XIX. Naquela época os experimentos cinematográficos buscavam o refinamento tecnológico que proporcionasse a experiência dos filmes em grande escala para audiências cada vez maiores. A própria gramática do Cinema não havia ainda encontrado sua forma definitiva naqueles tempos pioneiros. Simultaneamente, os Quadrinhos se consolidavam como uma forma popular e barata de "narrativa pictórica". Surgiam, portanto, novas formas de contar histórias, além da Literatura e do Teatro.


A ideia de narrativas ilustradas por imagens vem desde o tempo dos homens das cavernas, que rabiscavam suas "histórias" nas rochas. A inevitável aproximação dos Quadrinhos com o Cinema se deu desde os primeiros momentos. Os pioneiros irmãos Lumière (créditos historicamente como criadores do Cinema) buscaram inspiração numa "história em quadrinho" da época para um dos pequenos filmes curtos apresentados na histórica primeira sessão de cinema, em dezembro de 1895, num Café em Paris.


Há, sem dúvida, grandes diferenças entre a tela de cinema e uma página de revista, no entanto, as duas linguagens são em certa medida complementares, pois são fruto da cultura de massa. Por surgirem quase simultaneamente, Cinema e Quadrinhos compartilham características, sem perderem suas particularidades narrativas. Ao longo do tempo, em épocas distintas, se aproxima e se afasta do universo dos Quadrinhos. Atualmente estamos vivendo um dos momentos mais fortes desta relação. O espetacular resultado financeiro das adaptações cinematográficas da última década consolidou um formato hegemônico que conquista cada vez mais e mais público. Mas, fica a pergunta: "Até quando dura esta Era de Ouro?"




Objetivos

O Curso Quadrinhos no Cinema: Uma História Quadro a Quadro, ministrado por André Kleinert, vai passar a limpo a história da relação entre Cinema e Quadrinhos, analisando as linguagens; as principais adaptações; a estética dos Quadrinhos que influencia o Cinema e vice-versa; a importância das grandes editoras e a estratégia da indústria cinematográfica.


Não é necessário nenhum pré-requisito para participar desta atividade.
O curso é aberto ao público em geral interessado no tema.



  

Temas

- Como ocorre a aproximação entre os Quadrinhos e Cinema? Os pontos em comum entre as linguagens formais das duas mídias.
- Universos paralelos / Universo único: os níveis de realidade em que Cinema e Quadrinhos se relacionam.
- Origens das indústrias cinematográficas e dos quadrinhos: perspectiva e semelhanças históricas.
- Cineastas quadrinistas ou Quadrinistas cineastas? Artistas que transitam entre as duas mídias;
- Seriados cinematográficos: os primórdios das primeiras transposições cinematográfica dos quadrinhos.


- Marvel e DC: breve história editorial e a saga de seus principais heróis na tela grande.
- Alan Moore e Frank Miller: a acidentada trajetória de dois mestres no cinema.
- Mark Millar: um exemplo de como se opera em termos criativos e comerciais a relação entre o cinema e os quadrinhos na atualidade.
- As principais escolas e gêneros dos Quadrinhos adaptados para o Cinema. Quadrinhos underground e independentes norte-americanos.


- Terror: como as editoras EC Comics e Warren Publishing influenciaram o horror cinematográfico moderno.
- França: Metal Hurlant, Asterix e Lucky Luke.
- Itália: Tex, Danger Diabolik e o vasto universo dos fumetti.
- Japão: Mangás - samurais, ficção científica, magia e super-heróis.
- Brasil: O talento multimídia de José Mojica Marins (Zé do Caixão); Ivan Cardoso e Paulo Biscaia Filho.





Ministrante: André Kleinert
Autor (juntamente com Hiron "Goida" Goidanich) da "Enciclopédia dos Quadrinhos" (Editora L&PM). Membro da Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul (ACCIRS) e diretor de programação do Clube de Cinema de Porto Alegre no período 2007 - 2017. Escreve regularmente sobre cinema e música. Criador do blog "Anti-Dicas de Cinema".



Curso
QUADRINHOS CINEMA:
UMA HISTÓRIA QUADRO A QUADRO
de André Kleinert

EDIÇÃO PORTO ALEGRE

Datas
25 e 26 / Novembro (sábado e domingo)

Horário
14h às 17h

Duração
2 encontros presenciais (6 horas / aula)

Local
Cinemateca Capitólio Petrobras
(Rua Demétrio Ribeiro, 1085 - Centro Histórico - Porto Alegre - RS)

Investimento
R$ 85,00
* Desconto para pagamento por depósito bancário:
a) R$ 70,00 (primeiras 10 inscrições) * Valor promocional esgotado
b) R$ 80,00 (demais inscrições)

Formas de pagamento
Depósito ou transferência bancária / Cartão de crédito (PagSeguro)

Material
Certificado de participação e Apostila

Informações
cineum@cineum.com.br  /  Fone: (51) 99320-2714


Inscrições
cinemacineum.blogspot.com.br

Realização
Cine UM Produtora Cultural

Patrocínio
Editora Intrínseca
Back in Black
B&B Games

Apoio
Cinemateca Capitólio Petrobras
.
.